Skip to content

Cardeal Rouco inaugurou a JMJ Madrid 2011: Testemunhem a Cristo como João Paulo II

17 de agosto de 2011

MADRI, 16 Ago. 11 / 10:50 pm (ACI/EWTN Noticias)

Ao presidir a multitudinária Missa de inauguração da JMJ Madrid 2011 celebrada na emblemática Praça de Cibeles, o Arcebispo anfitrião pela segunda vez deste evento, Cardeal Antonio María Rouco Varela, alentou os peregrinos a testemunhar com valor a Cristo segundo o exemplo do Beato João Paulo II.

Na Missa dedicada ao Papa Wojtyla diante de meio milhão de jovens e concelebrada por 800 bispos de todo o mundo e 8 mil sacerdotes, o Cardeal ressaltou as raízes católicas da Espanha “que se constitui animada por um projeto histórico que é sua identificação com o cristianismo”.

Em um ambiente de festa de fé, o Cardeal disse logo que todos na Espanha “abrem a porta de seu coração” a todos os peregrinos que vieram a Madrid e destacou o testemunho de João Paulo II, como iniciador das Jornadas Mundiais da Juventude.

“Desde aquela primeira convocatória da Jornada de 1985 em Roma até esta Jornada de Madrid foi se debulhando uma bela história de fé, esperança e amor em três gerações de jovens católicos e não católicos, que viram como se transformava suavida em Cristo e como surgiam entre eles inumeráveis vocações para o sacerdócio, a vida consagrada, o matrimônio cristão e o apostolado”.

A santidade pessoal de João Paulo II –prosseguiu o Cardeal que acolheu em 1989 o Pontífice polonês para a JMJ deste ano em Santiago de Compostela– “brilha com um atrativo singular precisamente neste aspecto da evangelização dos jovens contemporâneos. Nosso Santo Padre Bento XVI não duvidou em ressaltar o amor aos jovens de João Paulo II na Homilia de sua Beatificação em primeiro de Maio na Praça de São Pedro”.

O Cardeal Rouco ressaltou logo que “o segredo dessa luminosa personalidade, moldada na perfeição da caridade, desvela-se facilmente à luz da Palavra de Deus que foi proclamada. A chave de explicação de toda sua vida, consagrada ao Senhor, à Igreja e ao homem, não é outra que seu candente amor a Jesus Cristo, do qual, assim como São Paulo, não quis afastar-se jamais”.

“João Paulo II passou também em sua vida pela aflição, pela angústia, pela perseguição, pelas carências mais elementares nos anos da II Guerra Mundial, da ocupação implacável e cruel de sua pátria, do despojo desumano dos seus… Sofreu a dor dos perseguidos pela causa de Cristo antes e depois de sua eleição à Sé de Pedro: literalmente, até o sangue”.

João Paulo II, disse o Cardeal, foi uma “testemunha indomável da verdade e da esperança cristã, viveu a verdade do “se Deus estiver conosco, quem estará contra nós?”, sem medo a nenhuma oposição interna ou externa à Igreja. Foi um valente de Cristo! Nada pôde afastá-lo de seu amor”.

O amor total por Jesus Cristo foi o que marcou a vida deste Pontífice, disse logo e recordou que “quem quer que tenha vivido as Jornadas Mundiais de Buenos Aires, Santiago de Compostela, Czestochowa, Denver, Manila, Paris, Roma, Toronto… terá podido constatar que na forma de receber o Papa, com aquela mistura tão íntima de júbilo e respeitosa ternura, os jovens demonstravam que o estavam reconhecendo como aquele que vinha ao seu encontro no nome do Senhor”.

O Cardeal Rouco Varela disse logo que, em Colônia 2005, Sydney 2008 e agora em Madrid 2011, o Papa Bento XVI compreende os novos desafios dos jovens em um mundo globalizado.

“Seu lugar na vida tem suas peculiaridades. Seus problemas e circunstâncias vitais mudaram. A globalização, as novas tecnologias da comunicação, a crise econômica, etc., condicionam para bem e, em muitas ocasiões, para mal”.

“Os jovens de hoje, com raízes existenciais debilitadas por um rampante relativismo espiritual e moral, encerrados pelo poder dominante, e sem achar sólidos fundamentos para suas vidas na cultura e na sociedade atuais, até mesmo, não raramente, na própria família…, são provados poderosamente até os limites de fazer perder a orientação no caminho da vida: Como não vai vacilar às vezes sua fé?”, prosseguiu.

Diante desta perspectiva, assegurou o Cardeal “a juventude do século XXI necessita, tanto ou mais que as gerações precedentes, encontrar o Senhor pela única via que se demonstrou espiritualmente eficaz: a do peregrino humilde e singelo que busca seu rosto”.
“O jovem de hoje precisa ver Jesus Cristo quando Ele sai ao seu encontro na Palavra, nos Sacramentos, “também, muito especialmente, na Eucaristia e no Sacramento da Penitência, nos pobres e doentes, nos irmãos que estão em dificuldade e necessitam ajuda”.

“Precisa vê-lo e entrar em diálogo íntimo com Ele, que o ama sem pedir nada em troca, a não ser a resposta de seu amor. A intenção do Papa, que tanto os ama, vai justamente nesta direção: que experimentem na Comunhão Católica da Igreja a verdade e a imperiosa urgência de fazer sua vida o lema da Jornada Mundial da Juventude 2011: “arraigados e edificados em Cristo, firmes na fé”.

Finalmente o Cardeal elevou uma oração a João Paulo II para que “rogue por nós, roga pelos jovens da JMJ 2011 para que abram de par em par seus corações à graça salvadora de Cristo, o único Redentor do homem, nestes extraordinários dias do Espírito nos que queremos contar as maravilhas do Senhor a todas as nações!”

Anúncios
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: