Skip to content

IGREJA DEFENDE MATERNIDADE NA SUÍÇA

8 de setembro de 2011

ATAQUE À FAMÍLIA

Comissão Justiça e Paz destaca importância de conciliar família e trabalho

BERNA, quinta-feira, 8 de setembro de 2011 (ZENIT.org) – Trabalhar pela igualdade entre os sexos, tornar compatível a vida profissional e familiar, dar prioridade ao bem-estar das mães e dos seus filhos: com estes objetivos, a Comissão Justiça e Paz, da Conferência Episcopal Suíça, apoia a ratificação da Convenção 183 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a proteção da maternidade, e a modificação do artigo 35 da lei federal sobre o trabalho, referente à licença-maternidade remunerada.

Em um documento, o secretário-geral da comissão, Wolfgang Bürgstein, destaca a conveniência de ratificar a C183, porque insiste “no bem-estar da mãe assalariada e do filho”. “É indispensável que se proteja o emprego das mulheres durante esta fase da vida”, explica.

“Em sua aplicação, uma proteção jurídica assim contribui não somente para o bem-estar da família, mas também para uma sociedade promotora da vida. E, dessa maneira, a proteção da maternidade constitui um dos pilares da política familiar.”

Com relação à modificação da lei federal sobre o trabalho, que se refere à licença-maternidade remunerada, recorda que, “na legislação suíça, o tempo necessário para a lactância está reconhecido como tempo de trabalho, mas sua remuneração não está regulamentada”.

Também destaca as “numerosas vantagens da lactância” para a saúde da criança e da mãe, recordando as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS): lactância materna exclusiva até os seis meses, porque o leite materno contém todos os nutrientes necessários para a alimentação até esse momento.

“Apesar dessa recomendação da OMS, somente 14% das mulheres na Suíça ainda mantêm a lactância materna até os 6 meses, segundo um estudo nacional de 2003”, indica.

“Para muitas mulheres, a volta ao trabalho depois das 14 semanas de licença-maternidade representa uma razão para deter ou diminuir a lactância materna”, lamenta.

“Medidas como as pausas remuneradas para a lactância e colocar à disposição infraestruturas necessárias para dar de mamar, tirar o leite e conservá-lo são, portanto, muito importantes para promover a continuidade da lactância materna”, conclui o prelado suíço.

A Comissão Justiça e Paz destaca também que, “segundo a imagem cristã do ser humano, cada homem e cada mulher possui a mesma dignidade”. E “a dignidade humana deve ser levada em consideração no lugar de trabalho, sobretudo quando se trata de dependentes particularmente vulneráveis”.

Neste sentido, acrescenta o texto, ratificando a C183, “a Suíça poderia acolher a oportunidade de promover a proteção da maternidade tanto no âmbito nacional como no internacional, confirmando, assim, seu compromisso com os direitos humanos”.

Anúncios
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: