Skip to content

PAPA DESTACA IMPORTÂNCIA SOCIAL DA RELIGIÃO

22 de setembro de 2011

Em seu primeiro discurso na Alemanha

BERLIM, quinta-feira, 22 de setembro de 2011 (ZENIT.org) – A religião é uma questão fundamental para uma convivência bem sucedida: esta foi a mensagem de Bento XVI em seu primeiro discurso na terra alemã, ao ser recebido, no Castelo de Bellevue de Berlim, pelo presidente da República Federal Alemã, Christian Wulff.

Ao chegar ao aeroporto de Tegel, Bento XVI foi acolhido com 21 salvas de canhão, como prevê o protocolo das visitas de Estado, enquanto, nas escadas do avião, era aguardado pelo presidente do país e pela chanceler federal, Angela Merkel. Também estavam presentes o arcebispo de Berlim, Dom Rainer Maria Woelki, e o presidente da Conferência Episcopal Alemã e arcebispo de Friburgo, Dom Robert Zollitsch.

Depois de ser recebido no aeroporto, o Papa viajou, no carro oficial, ao Castelo de Bellevue para participar das cerimônia de boas-vindas. Lá, assinou o livro de honra, escutou as palavras do presidente alemão, que lhe disse, em nome do país, “Bem-vindo a casa, Santo Padre!”, e destacou a importância da Igreja no passado e presente da Alemanha.

Em seu primeiro discurso em seu país natal, Bento XVI afirmou: “Não vim aqui primariamente por ter em vista certos objetivos políticos ou econômicos, como justamente fazem outros homens de Estado, mas para encontrar o povo e falar-lhe de Deus”.

O Papa acompanhou estas palavras abrindo seus braços em direção às pessoas que o ouviam, sentadas sob diversos toldos no jardim do castelo; elas responderam com um efusivo aplauso.

“A respeito da religião, constatamos uma indiferença crescente na sociedade, que, nas suas decisões, tende a considerar a questão da verdade sobretudo como um obstáculo, dando por isso a prioridade às considerações utilitaristas”, prosseguiu.

“Mas há necessidade duma base vinculativa para a nossa convivência; caso contrário, cada um vive só para o seu individualismo”, afirmou o Pontífice.

Bento XVI citou então o bispo e reformador social Wilhelm Emmanuel von Ketteler, quem, em seu discurso à primeira assembleia dos católicos na Alemanha, em 1848, declarou que, “assim como a religião precisa da liberdade, assim também a liberdade precisa da religião”.

“A liberdade precisa duma ligação primordial a uma instância superior – destacou. O fato de haver valores que não são de modo algum manipuláveis, é a verdadeira garantia da nossa liberdade.”

“O homem que se sente vinculado à verdade e ao bem, estará imediatamente de acordo com isto: a liberdade só se desenvolve na responsabilidade face a um bem maior – insistiu. Um tal bem só existe para todos juntos; por conseguinte, devo interessar-me sempre também dos meus vizinhos.”

Afirmou depois, em seu discurso, que, “na convivência humana, a liberdade não é possível sem a solidariedade”.

“Aquilo que faço a dano dos outros, não é liberdade, mas uma ação culpável que prejudica aos outros e a mim mesmo também. Só usando também as minhas forças para o bem dos outros é que posso verdadeiramente realizar-me como pessoa livre.”

“Isto vale não só no âmbito privado mas também na sociedade. Segundo o princípio de subsidiariedade, a sociedade deve dar espaço suficiente às estruturas inferiores para o seu desenvolvimento e, ao mesmo tempo, deve servir-lhes de suporte, de tal modo que, um dia, possam também manter-se por si sós”, acrescentou.

A seguir, referiu-se à realidade alemã, recordando que o Castelo de Bellevue se encontra no centro de Berlim e, “com o seu passado acidentado, o castelo é, como muitos edifícios da cidade, um testemunho da história alemã”.

Esse castelo, hoje residência oficial do presidente da Alemanha, foi residência dos reis da Prússia, mas também sede de consultas do Estado Maior da Alemanha nazista.

Bento XVI não rejeitou esta história, mas afirmou que “uma visão clara, inclusive sobre as páginas escuras do passado, permite-nos aprender dele e receber estímulos para o presente”.

Neste ponto, retomou a importância do transcendente no destino da sociedade, dizendo que “aRepública Federal da Alemanha tornou-se naquilo que é hoje, através da força da liberdade plasmada pela responsabilidade diante de Deus e a de cada um perante o outro”.

E acrescentou que o país “precisa desta dinâmica, que envolve todos os âmbitos humanos, para poder continuar a desenvolver-se nas condições atuais”.

O Papa concluiu seu discurso expressando seu desejo de “os encontros durante as várias etapas da minha viagem – aqui em Berlim, em Erfurt, em Eichsfeld e em Friburgo – possam dar um pequeno contributo neste sentido”.

Entre aplausos, o Santo Padre se dirigiu, guiado pelo presidente alemão, do jardim até o interior do castelo, onde os dois chefes de Estado tiveram um encontro privado, ao redor de uma pequena mesa redonda.

Anúncios
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: