Skip to content

ARGENTINA: LUZ VERDE PONTIFÍCIA AO INSTITUTO CRISTÍFERO

19 de outubro de 2011

Aprovação vaticana de uma nova família espiritual

AZUL, quarta-feira, 19 de outubro de 2011 (ZENIT.org) – O Instituto Cristífero, com sede na cidade argentina de Azul, cujos fundadores são Beatriz Abadía e Dom Miguel Esteban Hesayne, acolheu e compartilhou com alegria a aprovação pontifícia desta família espiritual nascida no país latino-americano.

Em uma breve nota enviada a ZENIT, o Instituto Cristífero expressa que deseja “compartilhar com profunda alegria a notícia recebida da Santa Sé, na qual, por meio de um decreto, comunicou-se a aprovação pontifícia do Instituto Secular Cristífero”.

Este instituto, com a prévia autorização da cúria romana, havia recebido a aprovação dos primeiros estatutos em 16 de dezembro de 1957, de Dom Manuel Marengo, bispo de Azul; e em 22 de junho de 1964, erigiu a Pia União Cristífera.

Desde os primeiros anos, a prioridade do Instituto é – informa a nota – “aprofundar na secularidade consagrada”.

“As cristíferas são mulheres consagradas vivendo no mundo, desenvolvendo cada uma sua profissão: docentes, donas de casa, estudantes, bioquímicas, empregadas etc., nos diferentes âmbitos da sua atividade, sempre como portadoras de Cristo”, explica.

O Congresso da Congregação para Institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica, reunido em 21 de junho de 2011, reconheceu o Instituto Secular Cristífero merecedor de ser contado entre os institutos seculares de direito pontifício.

“Somos mulheres simples, de coração ardente, enamoradas de Jesus Cristo, que pretendemos levar o amor de Deus aos cantos do mundo que nos corresponde viver”, afirma o site desta família religiosa.

E acrescenta: “Queremos viver descobrindo o Deus-Amor em nossa vida, manifestando-o ao nosso redor, para que outros possam encontrar o amor do Pai por Jesus Cristo, no Espírito Santo”.

“Nosso modelo de mulher consagrada a Deus, para consagrar-lhe a criação inteira, é Maria da Visitação, que leva a alegria da Salvação à Família de Ain Karem”, destacam.

Dom Hesayne foi bispo de Viedma durante 20 anos, até 1995, quando renunciou por idade.

Desempenhou um papel episcopal intenso durante o regime ditatorial do autodenominadoProceso de Reorganización Nacional, entre 1976 e 1983.

Foi um dos poucos membros da hierarquia da Igreja Católica da Argentina em criticar abertamente seus abusos e crimes contra os direitos humanos, tais como o assassinato (mascarado como um acidente automobilístico) do bispo Enrique Angelelli por uma “força de tarefas militar”, em 1976.

Após retirar-se do governo pastoral, dedicou-se à promoção deste instituto secular, cofundado junto a Beatriz Abadía, centrado na formação integral do laicado.

O bispo argentino é titular da Cátedra de Direitos Humanos da Universidade Nacional do Centro da Província de Buenos Aires e, em 2001, recebeu o doutorado Honoris Causa da Universidade Nacional de Río Cuarto.

Anúncios
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: