Skip to content

A IMPORTÂNCIA DA IMPERFEIÇÃO

28 de outubro de 2011

Colóquio de médicos católicos no Parlamento Europeu

BRUXELAS, sexta-feira, 28 de outubro de 2011 (ZENIT.org) – No dia 21 de outubro, um interessante colóquio no Parlamento Europeu abordou “a fragilidade humana na sociedade europeia contemporânea”. Organizado pela Federação Europeia de Associações Médicas Católicas, o tema foi tratado não só do ponto de vista médico, mas também filosófico, econômico, social e antropológico.

O encontro apresentou um painel de oradores renomados e um auditório atento, segundo a agência belga catho.be.

O tema é de interesse na atual crise da Europa. Evocar a fragilidade do homem pode ser um modo de mudar de direção num mundo que só fala de prazeres, segurança e sucesso pessoal. E na onda da crise, que evidencia a fragilidade do atual sistema bancário do velho continente, o tema tem especial ressonância.

Médicos, economistas, filósofos e religiosos se sucederam na tribuna para fazer constatações que impressionaram os presentes. “Reconhecemos as fragilidades econômicas e financeiras. Nunca a fragilidade humana”, disse o doutor Xerri, primeiro e último expoente. “O mundo moderno vive com o ressentimento de ter nascido”, completou pouco mais tarde Dom Ide, citando Hannah Arendt.

Na mesma linha, Dominique Lambert, professor de filosofia em Nôtre-Dame de Namur, falou de um homem “que parece cansado de ser humano”. Pior ainda: existiria, segundo o doutor Bernard Ars, um “risco de deriva eugênica de uma medicina que já não estaria interessada nas fragilidades”. “A consciência da fragilidade pode ser libertadora”, acrescentou.

Apesar do panorama, o colóquio não deixou um gosto pessimista. Insistiu na fé no homem, fé no poder dos frágeis. O dos recém-nascidos é o mais evidente, recordou o professor Le Pichon, numa intervenção que foi a mais comovente (com os “instantes frágeis” de Régis Defurnaux, um testemunho sobre cuidados paliativos no Lar São Francisco de Namur).

Especialista em geodinâmica, o professor Xavier Le Pichon sublinhou a importância das fraquezas e das imperfeições em qualquer sistema vivo e mesmo na tectônica de placas, assunto em que é especialista mundial. O autor de Aux racines de l’homme destacouque uma sociedade é humana quando se ocupa dos que sofrem.

A este respeito, foi rememorado o histórico descobrimento da tumba de Shanidar, que permite aos paleoantropólogos afirmar que os neandertais, até agora considerados como pré-humanos, cuidavam dos seus feridos e por isto se tornavam humanos.

“É o encontro com o homem que sofre o que constitui a humanidade”, explicou o professor do Colégio de França, “e o homem não para de reinventar a sua humanidade ao ter que encarar as fragilidades”.

Pierre Granier, autor da crônica do evento, a encerra com uma pergunta candente: “Vamos nos atrever a dilapidar uma herança de ao menos sessenta mil anos?”.

Anúncios
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: