Skip to content

Vaticanista: Cardeal Bertone ordena que documentos vaticanos sejam aprovados na Secretaria de Estado

11 de novembro de 2011

ROMA, 11 Nov. 11 / 03:42 pm (ACI)

O vaticanista italiano Sandro Magister assegurou que o Cardeal Tarcisio Bertone, Secretário de estado Vaticano, ordenou que de agora em diante os documentos dos dicasterios da Santa Sé sejam aprovados pela Secretaria de Estado antes de sua publicação.

Magister afirma em sua coluna do suplemento Chiesa do jornal italiano Espresso que a decisão foi tomada pelo Cardeal no último 4 de novembro logo depois das críticas que gerou um texto do Pontifício Conselho Justiça e Paz publicado em 24 de outubro no qual se propunha uma autoridade econômica mundial, e que foi apresentado por alguns meios como em sintonia com o movimento internacional dos “indignados”.

O vaticanista assinala que o Cardeal presidiu uma “cúpula” na Secretaria de Estado na qual comentou que só soube do documento no dia em que foi publicado.

Magister indica logo que “certamente, o fato que (o Cardeal) Bertone e os seus tenham visto esse documento apenas após a sua publicação é algo que também assombra”.

Na conferência de imprensa da apresentação do documento, anunciada desde em 19 de outubro, participaram as autoridades do Pontifício Conselho Justiça e Paz e o professor Leonardo Becchetti, professor de economia na Universidade de Roma Tor Vergata e perito de microcrédito e de comércio igual e solidário, “considerado o principal divulgador do documento”.

Magister ressalta logo que “o objetivo principal do documento, nada menos que um governo único mundial da política e da economia, saiu do G20 de Cannes (França) literalmente destroçado”.

“Não só porque de uma utopia semelhante ninguém, nem sequer vagamente, falou. Porém porque o pouco que foi decidido em concreto foi na direção contrária. A desordem mundial é hoje maior que antes e tem seu déficit mais grave na acrescentada incapacidade dos governos europeus de assegurar uma ‘governança’ do continente”.

O vaticanista diz logo que o que mais “irritou principalmente a muitos estimáveis leitores do documento do Pontifício Conselho ‘Justiça e Paz’ é que está em contradição clamorosa com a encíclica ‘Caritas in Veritate’, de Bento XVI”.

Magister assinala que “na encíclica, de maneira alguma o Papa Joseph Ratzingerinvoca uma ‘autoridade pública com competência universal’ na política e na economia, uma espécie de grande Leviatã que não se entende como deve ser entronizado nem por quem, o qual é querido pelo documento de 24 de outubro”.

“Na Caritas in Veritate o Papa fala mais propriamente de ‘governança’ (quer dizer, de regulamentação, em latim “moderamen”) da globalização, através de instituições subsidiárias e estratificadas. Isto não tem nada a ver com um governo monocrático do mundo”.

Crítica de L’Osservatore Romano

Ettore Gotti Tedeschi, perito economista e presidente do Instituto para as Obras de Religião, o chamado “Banco” do Vaticano, escreveu um artigo este 4 de novembro –no mesmo dia da cúpula convocada pelo Cardeal Bertone na Secretaria de Estado– no jornal vaticano L’Osservatore Romano, “um editorial de sua autoria que sonha como um repúdio total do documento do Pontifício Conselho Justiça e Paz”.

Nesse texto Gotti assinala que “os erros de interpretação e a subestimação da atual crise econômica foram graves e perduram”.

O perito afirma ademais que “é avaliável –mas esperemos que seja só uma tentação– um imposto à riqueza das famílias, mas sacrificando um recurso necessário para o desenvolvimento e produzindo ao mesmo tempo uma injustiça”.

Gotti assinala que ante a crise mundial “a solução está nas mãos dos Governos e dos bancos centrais, que devem levar adiante uma ação estratégica coordenada de reindustrialização, reforço dos organismos de créditos e apoio à ocupação. Isto requererá tempo, um tempo de ‘austeridade’ em que se reconstituam os fundamentos do crescimento econômico”.

A nota conclui indicando que são os governos aqueles que “devem restituir a confiança aos cidadãos e aos mercados através de uma governabilidade adaptada aos tempos, que além de garantir a conveniência técnica, seja à sua vez um modelo de liderança, quer dizer, um instrumento para alcançar o objetivo do bem comum”.

Para ler o artigo completo de Magister e o de Gotti Tedeschi, ingresse em:http://chiesa.espresso.repubblica.it/articolo/1350080?sp=e

Anúncios
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: