Skip to content

“Estão detonando nossas crianças e zombando dos cristãos no Brasil”, diz Nossa irmã em Cristo, a pastora Damares Alves

1 de junho de 2013

ATAQUE À FAMÍLIA E À IGREJA

Um vídeo de uma palestra da pastora Damares Alves, advogada, assessora jurídica da Frente Parlamentar Evangélica e professora, está sendo compartilhado através das redes sociais como um alerta sobre os rumos políticos do Brasil e o papel da igreja contemporânea.

A palestra, realizada na Primeira Igreja Batista de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, fala sobre os rumos dados pelo governo federal à educação infantil na área sexual e sobre uso de entorpecentes, além do projeto de aprovação do aborto.

Damares faz uma crítica à postura adotada pela maioria dos líderes evangélicos, dizendo que por se manter no conforto dos templos, a igreja se tornou alienada dos rumos que a sociedade está tomando. E faço dela as minhas palavras como cristã católica apostólica romana e evangélica por convicção de minha fé.

Estamos muito atarefados tanto na vida profissional como na vida religiosa, mas não saímos desse ciclo, dessa mesmice. Estamos estagnados, aguardando sempre o que está por vir. Penso que não estamos de mãos atadas e podemos fazer mais!

Até o fim do ano de 2012 lutei dentro de nossa cidade de Ibitinga, interior de São Paulo para que nossas quatro Paróquias trabalhassem numa unidade, juntas pelo bem comum de todos que necessitam de ajuda, pois unidos podemos sempre mais.

Neste ano de 2013 iniciamos com o projeto JMJ IBITINGA 2013, um projeto ecumênico, que unificaria todos os cristãos de todas as Igrejas Cristãs, num único momento de fé para que a partir daí pudéssemos trabalhar mais unidas, quando o assunto é por em prática o que aprendemos do exemplo que Jesus nos deixou.

Confesso que meu coração arde pelo Cristo ressuscitado e é neste puro Amor que venho registrar aqui a alegria de recebê-los nesta grande festa da Juventude e que seja um marco para grandes eventos ecumênicos que surgirão daqui pra frente.

Não podemos mais nos dar o luxo de vivermos em separado quando o assunto afeta a todos nós. Deixemos nossas diferenças doutrinais dentro do nosso entendimento e de nossas Igrejas. Arregacemos as mangas para colocar a mão na massa. Daremos as mãos numa grande corrente para salvar nossas crianças dos abusos que tentam nos enfiar guela abaixo, quando preciso for.

Nos abracemos como nossos deputados católicos fizeram com nossos irmãos evangélicos quando ganhamos mais uma batalha contra o aborto, numa grande vigília, dia e noite, noite e dia. Irmãos a guerra continua… Temos que ficar atentos e sermos pequenas massas em separado nos enfraquece e é o primeiro passo para o fim da família no Brasil.

“Deus está chamando a igreja evangélica brasileira para um novo momento, um novo instante, e grandes desafios nos esperam […] Os desafios são de salvar essa nação do que está acontecendo”, alertou a pastora, que complementou: “Estão detonando as nossas crianças”.

O chamado é para todas as Igrejas Evangélicas Brasileiras, incluindo nós evangélicos católicos. O momento chegou! A hora é agora! Faremos a diferença se nos levantarmos juntos e unidos faremos a diferença que o chamado de Deus pede. E olha que Deus tem chamado… e nós? Corremos contra o tempo e o inimigo ri de nós, escravos do consumismo. O que adianta ficarmos tão ocupados com questões financeiras e bens materiais se o mais importante para as nossas vidas estão nos tirando, que é nossas famílias?

Falando sobre pornografia e homossexualidade, Damares Alves disse que o Ministério da Educação tem divulgado nos últimos anos, materiais que fazem apologia à pornografia, à prática sexual e homossexual, e apresentou exemplares de cartilhas que são apresentadas às crianças.

“Aí vem o governo brasileiro com verba pública, do seu bolso, e faz um material desses distribui um material desses nas escolas públicas. E o que a gente faz? Nada. Sabe por quê? Porque estamos ocupados. A Igreja está muito ocupada. Estamos ocupados em ganhar dinheiro, ocupados com as nossas profissões, e não estamos antenados com o que está acontecendo. Mas Deus está dizendo à igreja evangélica brasileira: abre o olho […] É hora de a gente se levantar como igreja”, disse, em tom de convocação.

Eu tive acesso a um material desses a bem pouco tempo, quando meu afilhado recebeu um livro da escola, como conteúdo educativo onde teriam que fazer um resumo que valia como nota de prova naquele bimestre. Meu afilhado foi salvo pela preguiça da leitura. Ele me trouxe o livro, e sabendo do meu gosto pela leitura, me pediu que lesse o livro e lhe contasse em forma de história para que ficasse mais fácil fazer o resumo.

Peguei o livro naquele fim de semana e o li durante o sábado e o domingo. Pasmem meus irmãos, o conteúdo era totalmente pornográfico! Meu afilhado tinha na época 16 anos e ele tem duas irmãs mais novas. Num dos trechos do livro, dizia sobre a atração sexual do irmão mais velho pela irmã adolescente dois anos mais nova e em detalhes o momento da primeira relação sexual entre irmãos iniciada primeiramente no banheiro e finalizada na cama da adolescente.

Irmãos, meu afilhado tem exatamente dois anos a mais que sua irmã adolescente. Como disse anteriormente, salvo pela preguiça da leitura, não teve acesso ao conteúdo.
Eu ainda continuava com o problema, pois, como eu iria contar a história do livro a ele se tudo se resumia a pornografia?
Chocada com a leitura peguei o telefone e liguei para minha irmã contando a ela o ocorrido e pedi a ela que fizesse um boletim de ocorrência, pois o livro era de conteúdo abusivo para a idade.

Na mesma noite do domingo, uma matéria do Fantástico dizia bem sutilmente sobre um apelo das escolas estaduais para a devolução do tal livro, sem explicar bem o real motivo do pedido da devolução.
Na segunda-feira pediram a devolução dos livros diretamente aos alunos e tamanho foi o alvoroço na entrega, pois como meu afilhado, muitos nem tinham lido uma página sequer e deram graças por devolverem, que a coordenação não deu falta do livro que ficou em minha posse.

Devolvi o livro a minha irmã que contatou seu advogado, o mesmo arquivou o livro carimbado pela escola e com selo do MEC num processo, como prova real do abuso.
Pouco tempo depois, surgiu a tal cartilha gay para ser entregues a crianças de 07 a 12 anos e que não foi entregue por causa dos acirrados confrontos diretos com a bancada católica e evangélica em Brasília. Como esta tentativa da entrega das cartilhas deu o maior estardalhaço, resolveram fazer cartilhas menores, mas de igual conteúdo abusivo e distribuíram em outros estados do Brasil, principalmente em escolas do interior.

Irmãos!! Vigiem o material de seus filhos. Não deixem de irem na reunião das escolas. Conversem com seus filhos. Tenham acesso a tudo que eles fazem, conheçam as amizades e as famílias dos amigos de seus filhos. Alertem-se com os programas televisivos, revistas, todo tipo de material informativo. São nossos filhos! São nossas crianças!

Os materiais que contém instruções sobre como usar drogas, segundo Damares, foram distribuídos sob o argumento de que seria menos prejudicial se o consumo fosse orientado: “Os deputados evangélicos, que estão lá na Câmara tentando fazer uma diferença, e que estão sendo chamados de homofóbicos, fundamentalistas, que estão sendo perseguidos foram questionar […] e os especialistas disseram ‘as crianças já estão usando, então temos que ensinar usar de uma forma melhor para que não contraiam outros tipos de doença’”.

As drogas são uma dura realidade em nossa cidade também. Fiquemos atentos a essa “orientação escolar” sobre prevenção que o governo quer implantar. Trabalhemos em concordância com nossos professores e os apoiemos para que não façam uso deste material.

Damares Alves diz, em sua palestra, que os argumentos usados pelo governo para buscar a aprovação da descriminalização do aborto são baseados em “mentiras”, e que as informações apresentadas não são precisas: “Eles manipulam dados, manipulam estatísticas, para impor na sociedade brasileira uma cultura de morte”, disse, antes de complementar: “Matar bebês no ventre da mãe é covardia, assassinato, além de ser pecado”.

Nossa luta contra o aborto continua. ganhamos uma batalha, mas não a guerra. Vigilantes não nos calemos! Juntos venceremos!
Unidos a Cristo com poder da oração e na humildade de servir como irmãos que somos, seguimos abraçando esta defesa contra a cultura de morte.

A pastora Damares Alves disse ainda que o governo tem financiado iniciativas que zombam da fé cristã, e citou o exemplo de um artista plástico que recebeu verba para financiar uma performance em que um dos símbolos cristãos era ridicularizado.

“Estão zombando dos cristãos no Brasil […] A igreja evangélica vai ter que dizer isso: nos respeitem, nós não somos um ‘zé povinho’, não somos um povo qualquer, nós somos uma geração eleita, o povo de Deus”, disse.

É bem verdade os ataques contra nós cristãos como vocês podem conferir no link abaixo:

http://segundauniaonews.com/category/ataque-a-igreja/

De mãos dadas ouçamos juntos este chamado de Deus e juntos faremos a reconstrução de nossas famílias, mostrando os ensinamentos de Jesus Cristo, que vive e reina para sempre em nós, em nossas famílias, em nossas cidades e estados, em nosso país!
Daremos exemplo desta fé viva ao mundo todo. Assim seja,

Amém!

Vanuza Colombo

Assista no vídeo abaixo, a íntegra da palestra da pastora Damares Alves sobre a relação da igreja evangélica com a educação, o aborto e a política brasileira:

Fonte: youtube

Anúncios
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: